17 de February de 2019

Commvault e Cisco anunciam reforço acordo para a protecção dos dados na cloud

As empresas anunciaram o reforço do acordo de colaboração que visa a integração da tecnologia de snapshots da Commvault em sistemas hiperconvergentes da Cisco. 

A Commvault e a Cisco reforçaram um acordo de colaboração que tem como objectivo a integração de tecnologia de snapshots nos sistemas hiperconvergentes da Cisco (HyperFlex), anunciou a fornecedora de soluções de backup, recuperação, cloud e gestão de dados em ambiente híbrido. O objectivo é aumentar a protecção dos dados dos clientes. 

Através do acordo de colaboração a tecnologia snapshots IntelliSnap foi testada e validada para funcionar com os sistemas hiperconvergentes HyperFlex da Cisco, com o objetivo de proteger workloads de aplicações, sistemas de ficheiros e máquinas virtuais (VM), detalha a Commvault.

Segundo a nota de imprensa, não é necessários ferramentas de terceiros, proporcionando aos clientes “o controlo, simplificação e opções de arquitectura flexível que lhes permitem responder às necessidades do seu negócio, agora e no futuro”.

Na prática, o “ScaleProtect with Cisco UCS” resulta numa solução scale-out hiperconvergente e definida por software que inclui backup e a recuperação da plataforma Cisco HyperFlex, tornando-se deste modo “realmente multi-cloud”, explica a Commvault.  A solução dá suporte a aplicações empresariais, incluindo o SAP HANA. 

“A ampliação do nosso acordo para combinar IntelliSnap e HyperFlex é um exemplo de como as duas empresas estão estreitamente alinhadas na entrega de soluções simples e rentáveis que resolvem problemas do mundo real, ao mesmo tempo que geram receitas aos nossos parceiros em comum”, defende Wenceslao Lada, vice-presidente de Alianças Mundiais da Commvault.

Por seu lado, Vijay Venugopal, diretor sénior de gestão de produtos da divisão Cisco HyperFlex, refere que as duas empresas trabalham em conjunto para reduzir custos e complexidade da gestão de dados e das TI, “ao eliminar a necessidade de múltiplos produtos de software e hardware ou ferramentas pontuais”. 

Forrester aponta para analítica moderna

“Na era das analíticas de big data, da aprendizagem automática e da inteligência artificial, as ferramentas de backup continuam a estar obsoletas. As empresas necessitam de analíticas modernas para impulsionar a inteligência e melhorar as operações, conhecimentos sobre a capacidade de recuperação de aplicações e suporte integral para estas, em ambientes de múltiplas clouds”, refere Naveen Chhabra, analista sénior da Forrester Research.



Por

Article source: https://www.computerworld.com.pt/2019/02/05/commvault-e-cisco-anunciam-reforco-acordo-para-a-proteccao-dos-dados-na-cloud/

Estudo da Cisco mostra que as organizações estão obtendo resultados comerciais de seus investimentos em…

Empresas e organizações em todo o mundo que investiram no amadurecimento de suas práticas de privacidade de dados estão agora obtendo benefícios comerciais tangíveis desses investimentos, de acordo com o Estudo de Benchmark de Privacidade de Dados de 2019 da Cisco. O Estudo valida a ligação entre a boa prática de privacidade e os benefícios comerciais, enquanto os entrevistados relatam atrasos de vendas mais curtos, bem como menores e menos dispendiosas violações de dados.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia (GDPR), que focou em aumentar a proteção da privacidade e dos dados pessoais dos residentes da UE, entrou em vigor em maio de 2018 e com isso as organizações em todo o mundo vêm trabalhando para se adequarem ao GDPR. No Estudo de Benchmark de Privacidade de Dados de 2019 da Cisco, 59% das organizações relataram que atendem a todos ou a maioria dos requisitos, 29% esperam fazer isso dentro de um ano e 9% levarão mais de um ano.

“No ano passado, a importância da privacidade e proteção de dados aumentou dramaticamente. Os dados são a nova moeda e, à medida que o mercado se transforma, vemos as organizações obtendo benefícios comerciais reais de seus investimentos na proteção de seus dados”, disse Michelle Dennedy, Diretora de Privacidade da Cisco. “Na Cisco, acreditamos plenamente tanto na proteção dos nossos clientes como em impulsionar o sucesso comercial, maximizando o valor dos dados e minimizando os riscos”.

Os clientes estão cada vez mais preocupados com o fato de os produtos e serviços que implantam fornecerem proteções de privacidade apropriadas. As organizações que investiram em privacidade de dados para atender ao GDPR mostraram menores atrasos devido a preocupações com a privacidade ao vender para clientes existentes: 3,4 semanas em comparação com 5,4 semanas para as organizações menos preparadas para o GDPR. No geral, o prazo médio de vendas a clientes existentes foi de 3,9 semanas, menor que as 7,8 semanas relatadas há um ano. As organizações preparadas para o GDPR citaram uma menor incidência de violações de dados, um número menor de registros impactados em incidentes de segurança e tempos de inatividade mais curtos do sistema. Eles também se tornaram muito menos propensos a ter uma perda financeira significativa de uma violação de dados. Além disso, 75% dos entrevistados citaram que estão obtendo muitos e maiores benefícios de seus investimentos em privacidade, incluindo maior agilidade e inovação resultantes de controles apropriados de dados, obtenção de vantagem competitiva e uma aprimorada eficiência operacional ao terem seus dados organizados e catalogados.

Mais de 3.200 profissionais globais de segurança e privacidade dos principais setores em 18 países responderam à pesquisa da Cisco sobre as práticas de privacidade de suas organizações. Alguns dos principais resultados são:

- 87% das empresas enfrentam atrasos em seu ciclo de vendas devido a preocupações de clientes ou prospects com a privacidade, maior que os 66% do ano passado. Isso é provavelmente devido à maior conscientização sobre a privacidade provocada pelo GDPR e às frequentes notícias sobre violações de dados.
- Os atrasos nas vendas por país variaram de 2,2 a 5,5 semanas, com a Itália, a Turquia e a Rússia no extremo inferior da faixa, e a Espanha, o Brasil e o Canadá no extremo superior. Os atrasos mais longos nas vendas podem ser atribuídos às áreas nas quais os requisitos de privacidade são altos ou estão em transição. As vendas atrasadas podem causar déficits de receita ligados a remuneração, financiamento e relações com investidores. As vendas atrasadas também podem se tornar vendas perdidas se um cliente potencial comprar de um concorrente ou simplesmente decidir não comprar.
- Entre os principais motivos citados para atrasos nas vendas estão a investigação das solicitações dos clientes quanto a necessidades de privacidade, a tradução de informações de privacidade nos idiomas dos clientes, instruir os clientes sobre as práticas de privacidade de uma organização, ou reprojetar produtos para atender às necessidades de privacidade do cliente.
- Por país, a conformidade com o GDPR variou de 42% a 75%. Espanha, Itália, Reino Unido e França estavam no topo da lista, enquanto a China, o Japão e a Austrália estavam na ponta mais baixa.
- Apenas 37% das empresas preparadas para o GDPR tiveram uma violação de dados que tenha custado mais de US$ 500 mil, em comparação com 64% das empresas menos preparadas para o GDPR.

Acesse o Estudo de Benchmark de Privacidade de Dados de 2019 da Cisco (em inglês): Cisco 2019 Data Privacy Benchmark Study.

Citações de apoio

Cliff Farah, Presidente e CEO de The Beacon Group: “À medida que as regulamentações de privacidade continuam a se expandir e evoluir, os líderes corporativos se beneficiarão com a compreensão desta pesquisa e de que maneira suas decisões e investimentos podem se traduzir em valor”.

Peter Lefkowitz, Diretor de Risco Digital da Citrix Systems e Presidente do Conselho da, Associação Internacional de Profissionais de Privacidade (IAPP) em 2018:”Esta pesquisa fornece evidências de algo que os profissionais de privacidade há muito entenderam – que as organizações estão se beneficiando de seus investimentos em privacidade para além da conformidade. O estudo da Cisco demonstra que a forte conformidade com a privacidade encurta o ciclo de vendas e aumenta a confiança do cliente”.

Recursos de Suporte (em inglês)

Cisco 2019 Data Privacy Benchmark Study (Estudo de Benchmark de Privacidade de Dados de 2019 da Cisco)

Cisco 2019 Data Privacy Infographic (Infográfico de Privacidade de Dados para 2019 da Cisco)

Blog – Data Privacy: A Business Imperative (Privacidade de Dados: um Imperativo para as Empresas)

Cisco Data Privacy (Privacidade de Dados da Cisco)

Sobre a Cisco
A Cisco (NASDAQ: CSCO) é a líder mundial em tecnologia que faz a internet funcionar desde 1984. Nossas pessoas, produtos e parceiros ajudam a sociedade a se conectar com segurança e a buscar hoje as oportunidades digitais de amanhã. Saiba mais em newsroom.cisco.com e siga-nos no Twitter, em @Cisco. RSS Feed da Cisco: http://newsroom.cisco.com/rss-feeds

Cisco e o logo da Cisco são marcas comerciais ou marcas registradas da Cisco e/ou de suas subsidiárias nos EUA e outros países. A lista das marcas da Cisco pode ser encontrada em www.cisco.com/go/trademarks.

Article source: https://www.segs.com.br/info-ti/154991-estudo-da-cisco-mostra-que-as-organizacoes-estao-obtendo-resultados-comerciais-de-seus-investimentos-em-privacidade-de-dados

Cisco adquire empresa de analytics Singularity Networks

A Cisco revelou planos para adquirir a Singularity Networks, empresa especializada em soluções de analytics para infraestrutura de rede.

O fornecedor fará parte da unidade de negócios de provedores de serviços da Cisco e seus recursos de análise serão integrados ao portfólio Crosswork Network Automation.

A Singularity Networks captura e analisa dados de rede para ajudar provedores de serviços a melhorar o desempenho da rede, gerenciar custos, ganhar visibilidade e reduzir o tempo de inatividade por meio de ferramentas de visibilidade e análise em tempo real.

“Com o software de automação de rede e técnicas inovadoras de coleta de dados, estamos ajudando nossos clientes provedores de serviços a transformar a maneira como operam sua infraestrutura”, comentou Rob Salvagno, vice-presidente de desenvolvimento corporativo e investimentos da Cisco.

“Com a extração e o gerenciamento efetivos de enormes quantidades de dados, as operadoras podem resolver rapidamente e até mesmo evitar de maneira proativa a interrupção de eventos e ameaças de segurança iminentes.

“A tecnologia Singularity Networks ajudará a fornecer informações confiáveis, oportunas e acionáveis sobre o que está acontecendo na rede 24 horas por dia, sete dias por semana.”

A aquisição será finalizada no terceiro trimestre do ano fiscal de 2019 da Cisco, sujeito às condições habituais de fechamento e às aprovações regulamentares.

Em dezembro, a Cisco revelou planos para a empresa de semicondutores ópticos Luxtera por US$ 660 milhões e construirá sua fotônica de silício em futuros equipamentos de rede corporativos de datacenter, escala na web e provedores de serviços.

Essa tecnologia é essencial para acompanhar os enormes aumentos previstos no volume de tráfego IP nos próximos quatro anos, de acordo com David Goeckeler, vice-presidente executivo e gerente geral de negócios de rede e segurança da Cisco.

Article source: https://computerworld.com.br/2019/02/04/cisco-adquire-empresa-de-analytics-singularity-networks/

Com Slack ainda na ponta, gastos com software de colaboração crescem 9%

Os gastos com software de colaboração atingirão US$ 45 bilhões globalmente, alta de 9% em relação a 2018. A previsão é da consultoria Synergy Research Group, que aponta que o Slack devem manter a ponta.

Mais e mais empresas estão lançando softwares – entre elas a Microsoft, com o Teams -, tornando o mercado de software de colaboração um negócio em expansão.

Os gastos com aplicativos de bate-papo em equipe devem crescer substancialmente este ano, já que a demanda por software de colaboração e comunicações unificadas (UC) continua crescendo.

As receitas trimestrais estão em alta, segundo a empresa de análise, e devem continuar “crescendo de forma constante” pelos próximos cinco anos. A receita do terceiro trimestre em 2018 quase superou US$ 11 bilhões, com os números finais do trimestre apontando para ser “substancialmente maiores”.

O maior crescimento está previsto para os gastos em aplicativos de colaboração de equipe, como o Slack e o Microsoft Teams. Espera-se que aumente 60% em relação ao ano passado, com gastos estimados em US$ 500 milhões em 2019.

Outros segmentos de mercado em rápido crescimento incluem Vídeo como serviço (VaaS) e Plataforma de comunicação como serviço (CPaaS). Ambos estão preparados para um crescimento na casa dos 30%.

Explicando a crescente popularidade dos aplicativos de bate-papo da equipe, Jeremy Duke, fundador e analista chefe do Synergy Research Group, disse que as ferramentas ganharam força com organizações focadas em tecnologia e startups inovadoras que queriam alternativas às ofertas tradicionais de Comunicações Unificadas.

Empresas

O Slack, que supostamente está se preparando para uma cotação direta na bolsa de valores, viu o crescimento mais “digno de nota”, com a receita dobrando no ano passado. De acordo com os números de adoção mais recentes da empresa, a plataforma agora tem 8 milhões de usuários pagos. Em 2017, o Slack apontava aproximadamente US$ 200 em receitas anuais recorrentes.


A Transformação Digital na Indústria de Telecomunicação

E-book por:

Entre os outros fornecedores de crescimento rápido estão Twilio, BroadCloud (Cisco), Zoom, Fuze, Dropbox, RingCentral e LogMeIn (Jive).

São os grandes fornecedores de tecnologia que respondem pela maior parte do mercado global de software de colaboração. A Cisco, que vende uma série de produtos de UC, colaboração e contact center, manterá sua liderança na geração geral de receita, superando a Microsoft, segunda colocada, no último trimestre.

Colaboração na nuvem exibe mudanças

Os dados mais recentes da Synergy também destacaram uma mudança contínua de implantações de software de colaboração. É esperado que diminuam 3%, mesmo quando os gastos com produtos na nuvem e hospedados aumentem 19%.

As receitas de software hospedado e em nuvem agora representam 64% do total, com produtos locais compondo o restante. Isso marca uma mudança clara de um ano atrás, quando os dois estavam mais ou menos no mesmo nível.

Segundo Duke, a pesquisa da Synergy indica que o mercado local continuará a se contrair. “Acreditamos que o local é basicamente um jogo de base instalado. Não vemos grandes vendas novas de UCs tradicionais sendo vendidas, a maioria está sendo vendida em uma grande base instalada”.

Ele observa, no entanto, que a base instalada da UC é “enorme”, então, enquanto as receitas não estão crescendo, há uma “quantidade considerável de receita ainda sendo gasta que continuará por muitos anos.”

Article source: https://computerworld.com.br/2019/01/30/com-slack-ainda-na-ponta-gastos-com-software-de-colaboracao-crescem-9/

Commvault e Cisco ampliam acordo de colaboração

A solução ScaleProtect™ with Cisco UCS® amplia muitas das capacidades da plataforma Cisco HyperFlex com backup e recuperação. Com o maior ecossistema de fornecedores de cloud pública integrados, o ScaleProtect with Cisco UCS permite ao Cisco HyperFlex tornar-se numa plataforma realmente multi-cloud. Ao oferecer suporte comprovado para aplicações empresariais, como SAP HANA – para a qual a Commvault está certificada –, o ScaleProtect with Cisco UCS possibilita aos clientes ativar aplicações chave no Cisco HyperFlex, com a confiança de que os seus dados e aplicações estão apoiados e sempre disponíveis.

A combinação do ScaleProtect with Cisco UCS com Cisco HyperFlex resulta numa solução scale-out hiperconvergente e definida por software, que oferece backup e recuperação de extremo a extremo para a proteção de centros de dados.

“A combinação de soluções da Commvault e Cisco proporciona aos clientes e parceiros a flexibilidade de proteger e mover rapidamente os dados para e a partir de qualquer plataforma de infraestrutura da Cisco, à medida das necessidades das empresas”, afirma Wenceslao Lada, vice-presidente de Alianças Mundiais da Commvault. “A ampliação do nosso acordo para combinar IntelliSnap e HyperFlex é outro exemplo de como as duas empresas estão estreitamente alinhadas na entrega de soluções simples e rentáveis que resolvem problemas do mundo real, ao mesmo tempo que geram receitas aos nossos parceiros em comum”.

“Continuamos a trabalhar com a Commvault para ajudar os clientes a reduzirem os custos e a complexidade da gestão dos dados e das TI, ao eliminar a necessidade de múltiplos produtos de software e hardware ou ferramentas pontuais”, sublinha Vijay Venugopal, diretor sénior de gestão de produtos da divisão Cisco HyperFlex. “Obter controlo e capacidade de escalar num mundo TI multi-cloud é essencial para a modernização da infraestrutura e para a transformação digital. O Commvault IntelliSnap ajuda a proporcionar esse controlo e amplia o valor do Cisco HyperFlex para ajudar os clientes a garantir que os dados estão sempre disponível, são móveis e recuperáveis em todo o ambiente de TI”.

“Na era das analíticas de big data, da aprendizagem automática e da inteligência artificial, as ferramentas de backup continuam a estar obsoletas. As empresas necessitam de analíticas modernas para impulsionar a inteligência e melhorar as operações, conhecimentos sobre a capacidade de recuperação de aplicações e suporte integral para estas, em ambientes de múltiplas clouds”, refere Naveen Chhabra, analista sénior da Forrester Research, Inc.”Devido a esta realidade, o mercado da resiliência dos dados está a preparar-se para uma mudança significativa e fornecedores como a Commvault estão a liderar o caminho para a fazer a tecnologia avançar”.

Article source: https://wintech.pt/w-business/26245-commvault-e-cisco-ampliam-acordo-de-colaboracao

Cisco corrige falhas de segurança de software de SD-WAN

A Cisco corrigiu vulnerabilidades de segurança em quatro pacotes do seu software SD-WAN Solution, que tratam de falhas de buffer override, substituição de arquivos e acesso a privilégios que poderiam levar a ataques de negação de serviço ou problemas de acesso.

O primeiro patch, chamado de “Critical” pela Cisco, corrige uma vulnerabilidade no vContainer da solução Cisco SD-WAN, que poderia permitir que um invasor remoto autenticado causasse uma negação de serviço (DoS) e executasse código arbitrário como o usuário root, a empresa escreveu em um comunicado de segurança.

Esta vulnerabilidade atinge o Software do Controlador Cisco vSmart, executando uma versão da Solução Cisco SD-WAN antes da Liberação 18.4.0.

“A vulnerabilidade é devido à verificação de limites impróprios pelo vContainer. Um invasor pode explorar esta vulnerabilidade enviando um arquivo mal-intencionado para uma instância de vContainer afetada”, declarou a empresa.

Anteriormente, os usuários precisavam pedir à Cisco para ter essa nova versão. Mas a empresa informou aos clientes que o software fixo já foi implantado para essa vulnerabilidade. Não há ações que os clientes precisem realizar.

O segundo patch relacionado ao SD-WAN é novamente para o software Cisco SD-WAN Solution. O pacote High” alerta que um invasor remoto autenticado substitua arquivos arbitrários no sistema operacional subjacente de um dispositivo afetado. Um invasor pode explorar essa vulnerabilidade modificando o comando “salvar” na interface de linha de comando (CLI) de um dispositivo afetado. Uma exploração bem-sucedida poderia permitir que o invasor substituísse arquivos arbitrários no sistema operacional subjacente de um dispositivo afetado e aumentasse seus privilégios para o usuário raiz, escreveu a Cisco em seu comunicado de segurança.

A fraqueza afeta os seguintes produtos da Cisco que estão executando uma versão da solução Cisco SD-WAN antes da release 18.4.0. São eles:

- Software vBond Orchestrator
- Roteadores da série vEdge 100
- Roteadores da série vEdge 1000
- Roteadores da série vEdge 2000
- Roteadores da série vEdge 5000
- Plataforma vEdge Cloud Router
- vManage Software de gerenciamento de rede
- vSmart Controller Software

Uma terceira falha de segurança que afeta o mesmo grupo de produtos de solução SD-WAN pode permitir que um invasor local autenticado ganhe privilégios de nível de raiz e assuma o controle total do dispositivo.

“A vulnerabilidade é devido a uma falha em validar corretamente determinados parâmetros incluídos na configuração do grupo. Um invasor pode explorar essa vulnerabilidade gravando um arquivo criado no diretório em que a configuração do grupo de usuários está localizada no sistema operacional subjacente”, escreveu a Cisco.

Além disso, nesse mesmo grupo de produtos, a Cisco alertou sobre “múltiplas” vulnerabilidades na CLI local da Solução Cisco SD-WAN, permitindo que um invasor local autenticado aumentasse os privilégios e modificasse os arquivos de configuração do dispositivo. O invasor pode usar os privilégios elevados para comprometer ainda mais o dispositivo ou obter dados adicionais de configuração do dispositivo.


Gerencie ambientes multicloud e otimize seu investimento com Hybrid Cloud

E-book por:

“As vulnerabilidades existem porque a entrada do usuário não é adequadamente higienizada para determinados comandos na CLI. Um invasor pode explorar essas vulnerabilidades enviando comandos criados para a CLI de um dispositivo afetado”, declarou a Cisco.

A empresa afirmou que há atualizações gratuitas disponíveis para corrigir as três vulnerabilidades SD-WAN de alta prioridade. A equipe de resposta a incidentes de segurança de produtos da Cisco disse que não estava ciente de qualquer uso mal-intencionado real das vulnerabilidades.

Os problemas de segurança do SD-WAN foram parte de 23 falhas anunciadas pela Cisco em 23 de janeiro. Outras incluíram vulnerabilidades nos firewalls Cisco WebEx e FirePower.

Article source: https://computerworld.com.br/2019/01/28/cisco-corrige-falhas-de-seguranca-de-software-de-sd-wan/

Vídeo deve chegar a 80% do tráfego na rede em 2020, diz especialista

Cobrana por franquia de internet fixa  alvo de crticas Foto:
Cobrança por franquia de internet fixa é alvo de críticas Foto:  

BRASÍLIA e RIO – Um dia depois de o presidente da Anatel, João Rezende, afirmar que a era da internet fixa ilimitada chegou ao fim, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acenou com a possibilidade de recorrer à

Justiça contra a cobrança. O novo modelo proposto pelas empresas já havia sido alvo de críticas e de promessas de ação judicial por parte de órgãos de defesa do consumidor. A polêmica, porém, ganhou força com a decisão da Anatel, na segunda-feira, de proibir apenas temporariamente a adoção do modelo, até que as operadoras apresentem ferramentas de controle de uso, além de uma carência de 90 dias.

Cisco investe US$ 1 milhão em programa de aceleração de startups – Startup

A Cisco vai investir US$ 1 milhão em uma nova rodada de aceleração da incubadora de startups Alchemist Accelerator para dar suporte à colaboração empresarial. O dinheiro vem do Cisco Spark Innovation Fund, um fundo de US$ 150 milhões criado para apoiar a colaboração em torno do serviço de mensagens e videochamadas da Cisco na nuvem, Cisco Spark.

“Nós escolhemos essa abordagem da colaboração na medida em que buscamos acelerar as empresas em fase inicial que estão construindo aplicações relevantes para a colaboração e a plataforma Cisco Spark”, disse o vice-presidente da Cisco, Jason Goecke, em entrevista ao site VentureBeat.

A cada quatro meses, a Alchemist Accelerator inicia um programa de 24 semanas em São Francisco, na Califórnia, que se concentra em apoiar um grupo de 20 empresas em fase inicial. Desde a sua fundação em 2012, a incubadora foi classificada entre as mais populares nos Estados Unidos. A próxima leva de empresas que serão aceleradas começa em abril.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Esta é a quarta rodada de aceleração da Alchemist financiada pela Cisco. Anteriormente, a companhia financiou duas rodadas para empresas de Internet das Coisas (IoT) empresas e uma focada em empresas em geral.

Fonte: VentureBeat

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Article source: https://corporate.canaltech.com.br/noticia/startups/cisco-investe-us-1-milhao-em-programa-de-aceleracao-de-startups-90150/

″A primeira prioridade da Cisco é a cibersegurança″

Personagem importantíssimo de "The Flash" pode ter um fim trágico no próximo episódio!

Todo mundo já esperava que algumas coisas barra pesada aconteceriam após a chegada de Nora (Jessica Parker Kennedy) em “The Flash” e, principalmente, de Cicada (Chris Klein), mas o Purebreak acredita que ninguém esteja preparado para perder outro personagem querido, né? Mas tudo indica que é isso que vai acontecer no próximo episódio! Bem, pelo menos foi o que pareceu no teaser de “The Death of Vibe“. OMG, como assim? Cuidado com os possíveis spoilers, hein!

Em quot;Screamquot;: na 2ª temporada, personagem importante tem fim trágico no primeiro episódio!

1/06

Em quot;The Flashquot;: na 4ª temporada, ator que interpretará vilão Pensador pode ter sido revelado!

4/07

Em quot;Luke Cagequot;: na 2ª temporada, personagem importante pode ter fim trágico na série! Saiba mais

29/05

-
-
-

O próprio nome do episódio já dá uma dica do que pode rolar. No vídeo, Cisco/Vibro (Carlos Valdes) acaba se saindo mal em uma luta e tem seu fim trágico decretado. Mas, vamos ser otimistas: a série não iria dar um spoiler desses logo no nome do episódio caso Cisco realmente fosse morrer, né? Então, é bem provável que o cara seja ressuscitado ou algo possa ajudá-lo a sair dessa. Veja o vídeo e tire suas próprias conclusões.

Cicada tem um objetivo certo

Vale lembrar que o vilão tem apenas uma coisa em mente: acabar com a vida de todos os meta-humanos que cruzarem seu caminho. É aí que mora o problema! E aí, será que é o fim de Cisco em “The Flash “? Para saber, não esqueça de acompanhar os próximos episódios da série e, claro, fique de olho aqui no Purebreak para mais novidades!

Article source: http://www.purebreak.com.br/noticias/em-the-flash-na-5-temporada-cisco-pode-ter-fim-tragico-no-proximo-episodio/79348